Paulo Bonates: Apelido é sempre o verdadeiro nome de qualquer pessoa | 13/5

Apelido

 paulo_bonates-6315625-2.jpg

Apelido

A mim me parece que jogador de futebol só tem apelido. Além do mais, pesquisar a origem dos apelidos era uma tese de linguística.

Por Paulo Bonates – médico, psiquiatra, psicanalista, jornalista, professor da Ufes.E derradeiro torcedor do América do Rio de Janeiro.

Publicado com autorização do autor, a quem o Portal Don Oleari agradece a honra e a distinção.

Talvez nem sequer exista no mundo uma palavra que possa nomear uma pessoa e até animais em sua totalidade, nas suas infinitas maneiras de ser e estar. A começar pela autenticidade. O indefeso estreante é atingido no nascer por toda sorte de referências familiares.

Parece de propósito: as famílias vão montando, baseadas em sobrenomes de pais, tios, avós, ou pedaços de nomes deles cuja montagem forma algo semelhante a um código secreto. Entre jogadores de futebol a prática é quase obrigatória, por exemplo:

“Meu nome é “Orlanfilintomar”, filho de seu Orlando e dona Filinta, e jogo na meia, na ponta direita, mas chuto com as duas geralmente ao mesmo tempo”.

É por essas e outras que desenvolvemos na Rua Baldraco 80, no Cachambi, o Tratado Geral do Apelido. As musas inspiradoras da obra eram dois irmãos. Um que tinha explicação para tudo, desde que discordasse de todo mundo. Um deles inspirou o apelido: ” Porém”. Ninguém podia afirmar nada e lá vinha ele:

“Porém, olhando por outro lado….”, e demais variáveis. Dizem que acabou caolho. O outro era a cópia fiel, porém mais gordo que o treinador da Seleção Brasileira de 58, Vicente Feola, mas muito parecido. Pronto, estava dado o apelido. Andavam sempre juntos, Porém e Parecido.

A elite intelectual capixaba é famosa pela arte de aplicar apelido. Frequentando a equipe de futebol de salão no Praia Tênis Clube, ficava preocupado com a estética do apelido com que iriam me batizar. Morria de medo de que escolhessem nomes de animais “carimbados”.

Então, aproveitava os encontros das peladas e treinos para espalhar que havia nascido em Manaus, Amazonas, na esperança que me batizassem de Cobra, Pantera, Uirapuru…. essas modas. O resultado veio no dia em que o técnico do time dirigiu-se a mim:

“Seringueiro, chuta a bola aí…”

Volto meu pensamento para um colega e amigo, que acabou psiquiatra. Morreu dia desses o Lúcio “Pinto Velho”. O Seringueiro também chora e muito.

A não ser em raros casos, como é óbvio, a maioria dos apelidados não tem porquê. Brota do inconsciente como uma nomeação divina. Quando o cognominado para o apelido era musculoso, ou autoridade no clube, não tinha apelido, pelo menos essa é a minha dedução. Quem teria coragem de apelidar Ricardo Drews, era muito arriscado. Nem Marcos Murad, possuidor de diplomacia e autoridade histórica no clube. A pesquisa não chegava a tudo. Aribu nunca soube da origem do apelido e ele adorava.

A mim me parece que jogador de futebol só tem apelido. Além do mais, pesquisar a origem dos apelidos era uma tese de linguística.

“Eu te batizo em nome do pai do filho do Espírito Santo com o nome de Edson. Não rima com a santificação da nomenclatura “Pelé”. E assim “Tostão”, “Didi”, “Fio”, e assim vai.

Outro dia conversando com “Porém”, todos na mesa de praia em Guarapari, cada um dando uma explicação para essa falseta de guerra, e o tema era o ridículo mafuá de russos e não russos que estamos vivendo, lanço, então, meu apelido “up to date”: Tom e Jerry.

Você sabe escrever JK, digo o sobrenome? Duvido. E olha que era o Presidente do Brasil. Por acaso, conheces o mais completo sambista, hoje idolatrado como um santo cantante nascido e morrido na Mangueira, o Agenor? E Cartola, ouviu falar?

Dorian Gray, meu cão vira-lata, esconde seu nome verdadeiro: Rubinho.

https://www.escavador.com/sobre/2953258/paulo-jorge-da-fonseca-bonates

Apelido

Laís e Gustavo e Jade Picon e PA são vistos juntos numa noitada | 12/5

COMPARTILHE:

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on whatsapp
Don Oleari - Editor Chefão

Don Oleari - Editor Chefão

Radialista, Jornalista, Publicitário.
Don Oleari Corporeitcham