Lipedema é uma doença crônica e afeta principalmente sexo feminino | A influenciadora Luana Andrade | 13/11

Lipedema

Mulheres em idade reprodutiva, desde a puberdade até a fase de transição hormonal no início do climatério, são as mais suscetíveis

Amiga diz que a influenciadora digiltal Luana Andrade tinha lipedema nos joelhos | Veja no final

Foto de Capa: Brenda Paixão e Luana Andrade

O acúmulo de gordura em determinadas regiões do corpo pode estar relacionado ao sobrepeso e à obesidade. Porém, também existe a possibilidade de ser um problema vascular chamado lipedema, que, segundo levantamento do Jornal Vascular Brasileiro – https://www.jvascbras.org/ – atinge     aproximadamente 12,3% da população no Brasil.

O lipedema é uma doença crônica que se caracteriza pelo depósito desproporcional de gordura nas pernas e braços e ocasiona dores nos membros afetados.

Segundo o cirurgião vascular e membro do departamento de Doenças Linfáticas da Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular/Regional São Paulo (SBACV-SP), Dr. Mauro Figueiredo Carvalho de Andrade, a doença evolui em cinco estágios, iniciando pela região pélvica, quadris, nádegas, coxas e pernas, com possibilidade de acometer o sistema linfático.

“Não é muito claro o mecanismo exato desta lesão linfática. Também, devido ao mau funcionamento da musculatura da perna, pela restrição física provocada pelo lipedema, o sistema venoso dos membros inferiores também pode apresentar função inadequada”, declara.

Lipedema-Credito-SBACV-Nacional-1.jpg
14 de novembro de 2023
20 KB
Lipedema – Credito-SBACV-Nacional

As mulheres em idade de reprodução, desde a puberdade até a fase de mudanças hormonais com o início do climatério, são as mais atingidas. Além da gordura excessiva, os sintomas também incluem desconforto, fragilidade capilar, equimoses e edemas nas regiões afetadas.

“Pacientes com lipedema são mais suscetíveis a lesões das articulações. Em casos mais avançados, podem ter dificuldades na marcha e consequente atrofia muscular”, alerta o Dr. Mauro, que reforça sobre fator genético ser um grande peso para o diagnóstico, já que grande parte dos pacientes apresenta histórico familiar.

Atividades físicas como exercícios aeróbicos, caminhada e natação podem ser ferramentas para o controle do lipedema.

“O importante é que os exercícios sejam de intensidade progressiva e, no início, sob a supervisão de profissional educador físico ou fisioterapeuta”, ressalta o profissional, que também destaca o cuidado com a alimentação.

“As dietas restritivas não têm efeitos na redução do acúmulo da gordura do lipedema e podem, inclusive, piorar a desproporção corporal. Ainda assim, recomenda-se fortemente aos pacientes que mantenham o peso ideal. Há relatos de determinadas dietas, chamadas anti-inflamatórias, que proporcionam um melhor controle dos sintomas, mas ainda sem evidência científica suficiente para sua indicação”, alega.

O diagnóstico da doença é clínico, e cabe ao profissional detectar a suspeita.

“Não existem exames que marquem a presença do lipedema antes que ele seja clinicamente observável. Os exames (ultrassom, tomografia, cintilografia linfática, bioimpedância) servem para diagnóstico de casos em que há suspeita de associação de problemas”, informa o vascular.

Por não haver cura, o tratamento é feito visando aliviar os sintomas, evitar agravamentos e trazer mais qualidade de vida. Uma das recomendações é o uso das meias de compressão, sugestão que, de acordo com Dr. Mauro Andrade, pode ser recebida com relutância.

“Parte dos pacientes reluta em utilizá-las por experiências prévias malsucedidas devido a prescrições inadequadas”, observa.

“As meias normalmente usadas para o tratamento de edemas de membros inferiores (em doenças venosas não avançadas, por exemplo) são meias tecidas com malhas circulares. Em pacientes com lipedema, o uso recomendado – aliado ao acompanhamento médico – é de meias elásticas com baixo estiramento (menor elasticidade), obtidas quando o material da fabricação é a malha plana. É um tipo de tecido menos extensível, mais robusto, confortável e se adapta melhor ao formato do membro afetado”, esclarece o médico.

Como o paciente viverá com a condição pelo resto da vida, o acompanhamento médico é fundamental. Ele é realizado de forma multidisciplinar, ou seja, com profissionais de diferentes áreas, sendo os mais comuns os cirurgiões vasculares, dermatologistas, fisioterapeutas e nutricionistas.

O cirurgião vascular Dr. Fabio Rossi reforça que o lipedema é uma doença muito comum que atinge uma a cada dez mulheres, e dependendo da gravidade pode causar um impacto muito grande na qualidade de vida.

Rossi é presidente da Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular da Regional de São Paulo (SBACV-SP).

“O primeiro passo no tratamento para o lipedema é a busca por um especialista angiologista ou cirurgião vascular, que deve fazer a avaliação dos diagnósticos diferenciais, quando há sintomas de dor e inchaço das pernas. E além da conscientização e orientação adequada sobre a doença,  a realização de exames complementares, como Doppler Vascular, linfocintilografia, dosagem de gordura corporal e, em alguns casos, ressonância magnética, também é indicada”, explica Dr. Fabio.

Ainda, segundo o presidente da SBACV-SP, inicialmente podem ser indicadas as terapias conservadoras que envolvem a elastocompressão, avaliação e orientação nutricional, com exercícios físicos e fisioterapia. A lipoaspiração também pode ser prescrita em alguns casos, para reduzir o tamanho dos depósitos de gordura, mas a lipoaspiração padrão em geral não é recomendada. Já a lipoaspiração assistida por jato de água, aparentemente, provoca menor dano aos vasos linfáticos, e hoje é a técnica mais utilizada.

A SBACV-SP tem como missão levar informação de qualidade sobre saúde vascular para toda a população. Para outras informações acesse o site e siga as redes sociais da Sociedade (Facebook e Instagram).

Sobre a SBACV-SP

A Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular – Regional São Paulo – SBACV-SP, entidade sem fins lucrativos, é a Regional oficial da Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular (SBACV) no estado de São Paulo.

A entidade representa os médicos que atuam nas especialidades de Angiologia e de Cirurgia Vascular, nas áreas de atuação de Angiorradiologia e Cirurgia Endovascular, Radiologia Intervencionista e Angiorradiologia, Ecografia Vascular e outras áreas afins às especialidades. www.sbacvsp.com.br

Amiga diz que Luana Andrade tinha lipedema nos joelhos
De VivaBem*, em São Paulo


brenda-paixao-e-luana-andrade-participaram-juntas-do-power-couple-Brenda Paixão e Luana Andrade participaram juntas do Power Couple
Imagem: Reprodução/Instagram
Brenda Paixão, amiga de Luana Andrade, contou nesta quarta-feira (8) que a influenciadora tinha lipedema nos joelhos, que teria sido o motivo para realizar a lipoaspiração. Lu teve complicações durante o procedimento e morreu devido a uma embolia pulmonar maciça.

A maquiadora disse que a condição causava insegurança na amiga, que falava da cirurgia desde a época do Power Couple Brasil.

O que é lipedema?

Fonte: https://www.uol.com.br/vivabem/noticias/redacao/2023/11/09/luana-andrade-lipedema-nos-joelhos.htm?cmpid=copiaecola

Lipedema

Edição, Don Oleari – [email protected]

https://www.facebook.com/oswaldo.oleariouoleare

Informações de Elenice Cóstola

Pesquisa | Centro de Apoio aos Pequenos Empreendimentos mostra que quase 90% dos microempreendedores não têm curso superior

Verão à Vista: piscinas são estrelas da estação, mas requerem cuidados |10/11

Índice Firjan de Gestão Fiscal classifica Prefeitura de Vila Velha como 1ª colocada no Brasil e no ES nos indicadores Autonomia e Gastos com Pessoal

Helder Carnieli: “Crea-ES não participa de uma grande discussão de interesse do Estado. Virou um “Trem da Alegria” | 11/11

Webmotors revela que 62% pretendem trocar de carro na Black Friday

Tags

COMPARTILHE:

Don Oleari - Editor Chefão

Don Oleari - Editor Chefão

Radialista, Jornalista, Publicitário.
Don Oleari Corporeitcham

Posts Relacionados