Aqui Rubens Pontes: Meu poema de sábado | Maria Stella de Novaes: Convento da Penha | 13/11

maria stella de novaes
 Rubens-Pontes-4.png
Rubens Pontes

Aqui Rubens Pontes, jornalista – de Capim Branco/MG

Certamente não por acaso, nas voltas que o Mundo dá, a poeta Maria Stella de Novaes, adolescente, realizou seus estudos no Colégio Nossa Senhora da Penha, em Cachoeiro do Itapemirim, sul do Espírito Santo.

Tempo desde então decorrido, completou estudos no Colégio Nossa Senhora Auxiliadora, em Vitória, e também aqui estudos em outras áreas do conhecimento humano – pintura, piano, violino – de línguas, francês, inglês, italiano, e, como se não bastasse essa incansável busca de conhecimentos levou-a a estudar desenho, ciências naturais e História, lecionando essas matérias em estabelecimentos de ensino na Capital.

 MARIA_STELLA_DE_NOVAES_1548192416848141SK1548192417B.jpgPara os espírito-santenses, Maria Stella de Novaes é uma capixaba, mesmo tendo nascido em Campos dos Goytacazes, RJ (13 de agosto de 1894).

Foi aqui que ela se realizou como invulgar figura humana de inegável talento e cultura, portadora de diversos diplomas acadêmicos, representando o Estado em vários congressos internacionais, membro do Instituto Histórico e Geográfico, uma das fundadoras da Academia Feminina Espírito-Santense de Letras.

O Convento da Penha, desde sua infância dominando a paisagem no percurso Vila Velha-Vitória, povoou durante muitos anos sua imaginação de poeta e é dela o poema publicado nesta Coluna do Portal  Don Oleari.

Maria Stella Novaes, falecida em 1981, publicou livros sobre botânica, pedagogia, história, folclore e literatura.

Registro do Portal Don Oleari

Conjunto documental relativo à vida acadêmica e pessoal de Maria Stella  Novaes: no Acervo é possível ter acesso a recortes de jornais, cartas de caráter pessoal e profissional, diplomas, periódicos produzidos em diversos locais, tais como revistas, jornais e livros.

 Foto-Jose-Luiz-Pizzol-1958.jpg
Foto: José Luiz Pizzol, 1958

“Sentinela da barra, em perfil singular,

destaca-se no espaço o lendário Convento”

 

Maria Stella Novaes

 

Um cenário proposto pela Natureza serve como pano de fundo

para o objetivo central desta Coluna, uma abordagem da

inspiração e da construção de um dos monumentos

religiosos mais significativos da História do Espírito Santo, e desse

feito o canto em versos de Maria Stella Novaes que o tempo

mantém vivo e pulsante.

 

O litoral brasileiro era ainda uma interrogação quando as velas

triangulares das naus portuguesas foram recolhidas e a tripulação

desceu à terra, alumbrada com a feérica visão de um colorido novo

mundo.

 

A conquista do novo chão foi, no entanto, árdua e penosa,

precedida de uma disputa com os ocupantes donos da terra, os

mesmos índios que mais tarde lutariam ao lado dos

portugueses na expulsão dos franceses invasores.

 

Dominando a visão de terra e mar, com 154 metros de altura, um

penhasco  coberto por intocada  mata virgem seria,  mais do que

privilegiado ponto de observação para a terra e para o mar, um

desafio  ao sentimento  religioso dos homens de além mar.

 

Registra a História que a Descoberta do Brasil ocorrera apenas há

58 anos quando o missionário espanhol Frei Pedro Palácios

desembarcou no litoral capixaba, na região hoje conhecida como

Prainha (Vila Velha) passando a morar, segundo a lenda, numa

gruta ao sopé da montanha.

Foi dele a iniciativa de erguer pequena ermida para culto a Nossa

Senhora, passo original  que, no tempo, se expandiria até se tornar

o atual  Convento da Penha.

 

Segundo o escritor e historiador Francisco Aurélio, foi o povo que

deu esse nome ao monumento, em  razão  da localização da igreja:

penha significa pedra, rochedo.

O povo dizia: vamos lá na igreja que fica na penha.

“Aí ficou Nossa Senhora da Penha”, concluiu  Francisco Aurélio.

Atualmente, o Convento ocupa uma área de 632,226 metros quadrados. Seu altar-mor, construído no ano de 1800, é composto por mais de 200 peças em 19 tipos diferentes de mármore.

Registro do Portal Dom Oleari

O Convento da Penha é tombado como Patrimônio Histórico Cultural pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) desde 1943.

Foto José Luiz Pizzol, 1958

CONVENTO DA PENHA

Maria Stella Novaes

Alcandorado e belo, exposto ao raio e ao vento,

sentinela da barra, em perfil singular,

destaca-se, no espaço, o lendário Convento,

o trono de Maria entre a planície e o mar.

Peregrino, contempla o augusto monumento

da terra capixaba. Ali, vive a rezar,

em hosanas de glória, ou rudez do tormento,

o coração de um povo! Oh! sim, vem meditar –

O sonho de Frei Pedro, — o monge do painel,

perdido na montanha, à sombra das palmeiras,

inspira um florilégio, em poemas e prosa.

O artista o registrou, num primor de pincel,

e a Fé, tão superior aos cumes e às trincheiras,

conduz as multidões à Virgem Poderosa!

Editado por Don Oleari

https://donoleari.com.br/

 

Maria Stella de Novaes

Maria Stella de Novaes

Maria Stella de Novaes

Maria Stella de Novaes

Maria Stella de Novaes

https://www.ael.org.br/

COMPARTILHE:

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on whatsapp
Don Oleari - Editor Chefão

Don Oleari - Editor Chefão

Radialista, Jornalista, Publicitário.
Don Oleari Corporeitcham