Espetáculo “Mulher na pele que sou” fará apresentação on-line | 23/07

mulher

 

Livia-Corbellari-2.jpeg
Lívia Corbellari

Em homenagem ao “Dia Internacional da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha”, o projeto fará  lançamento on-line

 

Poesia, teatro, música, amor e luta fazem parte do espetáculo “Mulher na pele que sou”, que precisou se reinventar devido à pandemia. O grupo  já se apresentou no Viradão Cultural e em outros importantes locais da Grande Vitória e agora fará um lançamento virtual do espetáculo seguido de um bate-papo.

A data escolhida é o dia internacional da Mulher Negra Latino-Americana dia 25 de julho (domingo). No canal no YouTube do espetáculo https://youtu.be/o5_xOkAIR-g , a partir das 19 horas, estará disponível uma apresentação gravada no Palácio da Cultura Sônia Cabral, que discute por meio de música e poesia temas como machismo, violência e preconceito.

Empoderamento

Foto: Juane Vaillant

O espetáculo “Mulher na pele que sou” nasceu a partir do confronto das inúmeras representações negativas da maioria das referências da população negra, em especial da mulher negra, em nosso cotidiano. Todas as músicas e poemas que compõem o espetáculo foram pensados para subverter essas imagens e criar um momento de empoderamento, autoestima e representatividade para as mulheres negras.

– “Não podemos esquecer que o Espírito Santo ainda é apontado como um dos Estados mais perigosos para mulher, com uma taxa altíssima de feminicídio, sendo a maioria delas negras. Para isso não tenho nem palavras, mas temos pressa. Lançar “Mulher na pele que sou” num dia que representa a luta travada diariamente por mulheres negras é nossa forma de nos reconhecer, de unir forças e vozes que ecoam em todo esse país e ainda potencializar uma representatividade tão importante como a de Tereza de Benguela. Nosso instrumento de luta é a voz. E sabemos que ainda existem muitos silêncios para romper”, define a atriz e produtora Luciene Camargo.

materia-Livia.jpgO projeto foi contemplado com recursos do Edital Emergencial Setorial de Cultura SEMCULT/PMC N° 002/2020 ARTES CÊNICAS do Município de Cariacica e tem no elenco as artistas Luciene Camargo, Leticia Chaves e Giovanna Oliveira.

Serviço: Espetáculo “Mulher na pele que sou”

Data: 25 de julho (domingo)

Horário: 19h

Local: https://youtu.be/o5_xOkAIR-g

Ficha Técnica:

Elenco: Giovanna Oliveira | Letícia Chaves | Luciene Camargo

Concepção, direção de arte e de produção: Luciene Camargo

Textos: Luciene Camargo, Luiza Vitório e Meiriele Lemos.

Supervisão artística e preparação de elenco: Aidê Malanquini

Iluminação: Thila Lenk

Produção geral: Stephany dos Santos

Assistente de produção: Eva Andrião

Intérprete de libras: Sunshine Zanoni

Colaboradoras: Maria Coral, Geanna Abreu, Evelyn flores e Luana Eva

Fotografia e filmagem: Juane Vaillant

Assessoria de Imprensa e redes sociais: Lívia Corbellari

Textos base: Poema “Me gritaram negra”, de Victoria Santa Cruz, “Carta”, de Ana Paula Xongani, e fragmento da carta de Audrey Geraldine Lorde.

A mãe das necessidades: Eustáquio Palhares | Coluna Contraponto | 23/7

Mulher

– “Não podemos esquecer que o Espírito Santo ainda é apontado como um dos Estados mais perigosos para mulher, com uma taxa altíssima de feminicídio, sendo a maioria delas negras. Para isso não tenho nem palavras, mas temos pressa. Lançar “Mulher na pele que sou” num dia que representa a luta travada diariamente por mulheres negras é nossa forma de nos reconhecer, de unir forças e vozes que ecoam em todo esse país e ainda potencializar uma representatividade tão importante como a de Tereza de Benguela. Nosso instrumento de luta é a voz. E sabemos que ainda existem muitos silêncios para romper”, define a atriz e produtora Luciene Camargo.

A data escolhida é o dia internacional da Mulher Negra Latino-Americana dia 25 de julho (domingo). No canal no YouTube do espetáculo https://youtu.be/o5_xOkAIR-g , a partir das 19 horas, estará disponível uma apresentação gravada no Palácio da Cultura Sônia Cabral, que discute por meio de música e poesia temas como machismo, violência e preconceito.

COMPARTILHE:

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on whatsapp
Don Oleari - Editor Chefão

Don Oleari - Editor Chefão

Radialista, Jornalista, Publicitário.
Don Oleari Corporeitcham