O empreendedor e a espinha dorsal do negócio

Para o empreendedor iniciante haverá sempre algumas barreiras – contornáveis ou não – apesar da presença do Sebrae e seus órgãos técnicos que têm sido uma “mão na roda” para ajudar.
Vale destacar que as barreiras mais comuns que o empreendedor vai enfrentar e ter que contornar são: pesquisa de mercado; planejamento; capital próprio ou emprestado; mercado consumidor e mão de obra especializada para movimentar o negócio, inclusive a sua gestão, residindo aqui a espinha dorsal.
Para a questão da mão de obra – especializada ou não – e da gestão propriamente dita, eu poderia citar casos que conheço de perto, pois aconteceram em nosso Estado. Contudo, não darei nomes “aos bois” para não complicar.
Depois de todo planejamento e pesquisa descobriu-se que o fator mão de obra não foi levado em grande consideração, sendo o empreendedor forçado a busca-la fora, porque não existe aqui.
Quando chegou a vez da gestão altamente especializada não disponível no mercado local, o empreendedor foi obrigado a buscar os recursos na Bahia.
Não precisa nem dizer que o negócio, que já estava em operação, foi “por água abaixo” mesmo já estando visivelmente quebrado.

  Alencar Garcia de Freitas, jornalista aposentado

COMPARTILHE:

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on whatsapp
Don Oleari - Editor Chefão

Don Oleari - Editor Chefão

Radialista, Jornalista, Publicitário.
Don Oleari Corporeitcham