Aqui Rubens Pontes: meu poema de sábado | Primeiro canto nativo, Kátia Bento | Hai Kais, Marien Calixte | 30/10

katia-bento-1.jpg
Rubens-Pontes-4-7.png
Rubens Pontes

 

Coluna Aqui  RUBENS PONTES | Meu poema de sábado

 

Trabalho de Francisco Aurélio Ribeiro, compilado por Walter Aguiar  Filho, publicado em 2012, não perdeu atualidade e continua sendo inestimável fonte de consulta para os estudiosos e interessados no desenvolvimento da cultura literária no Espírito Santo.

francisco-aurelio-ribeiro-1.jp
francisco aurélio ribeiro
walter-aguiar-filho.jpg
walter aguiar filho

Assinala o autor (tanto tempo decorrido e confirmado hoje pelo Portal Don Oleari ):

“a criação da Editora da Fundação Ceciliano Abel de Almeida, UFES, em 1978, foi o fato mais marcante da literatura do Espírito Santo, com a publicação de mais de 300 títulos (*), principalmente  revelando jovens autores.”

Rubens Pontes: (*)…até a época desse registro.

Ainda segundo o levantamento, a iniciativa possibilitou aos autores capixabas   independência dos grandes centros (Rio, São Paulo, Belo Horizonte, Salvador), para publicação de seus trabalhos, entre eles os jovens escritores, quase todos contistas, lançados nos anos 80 pela FCAA, destacando-se Adilson Vilaça, Marcos Tavares, Sebastião Lyrio, Francisco Grijó.

Os mais significativos poetas relacionados foram Roberto Almada, Oscar Gama Filho, Deny Gomes e Miguel Marvilla, numa linha tradicionalista; Valdo Moura, Sérgio Blank, e Paulo R. Sodré, mais inseridos numa estética de contemporaneidade.

(Outros autores como Lacy Ribeiro e José Augusto Carvalho na prosa, Marien Calixte, José Irmo Goring e Luiz Carlos Almeida Lima, na poesia,  venceram concursos literários e tiveram suas obras publicadas fora da FCAA.)

O trabalho de Francisco Aurélio Ribeiro mostra-nos mais que a partir de 1992, com a criação da Secretaria de Produção e Difusão Cultural da UFES e da aprovação de projetos pela Lei Rubem Braga, da Prefeitura Municipal de Vitória, novas fontes de recursos impulsionaram a publicação de livros no Espírito Santo. Vinte e dois títulos foram editados, em dois anos, pela SPDC/UFES e 39 títulos de Literatura editados pela Lei Rubem Braga.

Com legítimo orgulho, confirmado pelo Portal Don Oleari, constata-se ter atingido a produção literária do Espírito Santo, neste ano de 2021, destacada  posição no ranking como uma das maiores do país, proporcionalmente ao seu tamanho e expressão econômica no contexto nacional.

Reinaldo Santos Neves, Bernadette Lyra, Amylton de Almeida, Valdo Motta, Sérgio Blank, Paulo Sodré,  Marien Calixte, são alguns dos autores de nível nacional divulgados pela mídia e conhecidos além fronteira capixaba , alguns deles com trabalhos editados também fora do País.

A Coluna, confirmando o enfoque, selecionou para este sábado poemas do gênero hai kay de Marien Calixte, saudoso companheiro, jornalista, radialista, escritor, poeta, pintor, portador da Comenda Jerônimo Monteiro.

Membro da Academia Espírito-santense de Letras e do Instituto Histórico e Geográfico, Marien mudou de plano em 2013.

Selecionou também um poema de Kátia Bento, nascida e apaixonada por Castelo, sul do ES, hoje morando no Rio de Janeiro sem nunca perder contato com sua cidade,  autora admirada por expoentes brasileiros da cultura poética como Manoel de Barros, Paulo Lemniski e Marcos Tavares.

A Coluna deste sábado leva aos seus leitores um poema de Kátia Bento – Primeiro Canto e pequena seleção de hai kais de Marien Calixte.

Rubens Pontes, jornalista

Fonte: A Literatura do Espírito Santo – uma marginalidade periférica,
Francisco  Aurélio Ribeiro/1996

Compilação: Walter de Aguiar Filho, /2012

Rubens Pontes

katia-bento.jpg
katia bento

PRIMEIRO CANTO NATIVO

Kátia Bento

No vão aberto invisível

entre dia e madrugada

mora a fração mais criança

da manhã aguardando orvalhos:

 

fugazes prendas da noite

que ao primeiríssimo açoite

do dia, logo espalham.

 

No vão das pedras mais lisas

do rio, loca de peixes

gasosas gotas de lua

ficam postas – represadas.

 

êm nesse espaço encantado

do tempo e desse lugar

porque as mãos qual bateria

catar as gotas, o brilho dessa toca de luar.

Me dá, dá só um pedaço

desse momento encantado

antes que a água doce

caia em sanguínea emboscada.

 

Me dá, dá  só um pedaço

desse momento de graça

antes  que passe – veja!

boiando n’água essa folha

deitada na correnteza.

 

Que eu me desvio inteira

do tempo além dessa  fonte:

enquanto o amor é o mesmo

para mim  também é instante.

marien-lordose-na-cabeca.jpg
Marien Calixte

Marien Calixte

LIVRO DE HAIKAIS
Prefácio de Carlos Nejar
São Paulo: Massao Ohno Editor, 1990

O mundo após
faz antigo o sulco
que se extrai agora.

*

Dorme comigo
a palavra
sem temor do sonho.

*

Evapora-se o rastro
na memória.
Já amei este nome.

*

Uma parte de mim
sofre. A outra des-
vencilhou-se.

*

Tropeço e caio
levanto
me distraio.

 

https://biblioteca.ufes.br/

PMC sob pressão | Transporte público | Dia da Família | Neve em S. Pedro Frio | Dia em que Domingão aplicou cinco multas no Gibira | Coluna Aqui COLATINA – Paulo César Dutra | 29/7

Rubens Pontes

COMPARTILHE:

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on whatsapp
Don Oleari - Editor Chefão

Don Oleari - Editor Chefão

Radialista, Jornalista, Publicitário.
Don Oleari Corporeitcham