Aqui Rubens Pontes: meu poema de sábado | Evandro Moreira, Cinzas – 26/6

rubens pontes

Rubens Pontes segue sua pauta para a temporada com poetas do Espírito Santo.

O Portal Don Oleari manifesta, ainda esta semana, sua solidariedade aos cachoeirenses nas comemorações do “Dia de Cachoeiro”, marca-símbolo de sua independência político-administrativa.

Muito a propósito, o amigo do Portal Don Oleari,  jornalista e escritor Bruno Torres Paraíso,  em mensagem no Facebook,  chamara nossa atenção para  a obra literária de Evandro Moreira.

Ele foi nome de destaque  no Panteon da Fama ao lado de Rubem e Newton Braga e um elenco de figuras que projetam a cidade de Cachoeiro do Itapemirim como um dos maiores polos de cultura do País.

Assim de passagem, entre tantos outros, citamos Matusalém Dias de Moura, Francisco Aurélio Ribeiro, Genildo Coelho, Ester Abreu, Carlos Orla, Ariete Moulin Costa, Celia Ferreira, Regina Herkenhoff, Reinaldo Santos Neves, Ricardo Lemos, Sergio e Raul Sampaio, David Alberto Lopes, Silvana Sampaio.

Detendo-nos em Evandro Moreira, lembramos que  seu nome  passou a ser conhecido e admirado a partir de 1955, época em que, datilografando textos de Newton Braga para publicação em jornais, assimilou estilo próprio publicando  trabalhos em jornais da cidade, entre eles a “Folha da Cidade”, fundado pelo professor João Batista Herkenhoff.

Funcionário do Banco do Brasil, a partir de 1962 morou em Januária, MG, onde lecionou Português e História, publicando, à época, seus primeiros livros. Retornando ao ES, morou em Alegre durante 30 anos, onde fundou o jornal Mensagem.

Retornando a Cachoeiro, publicou o “nanico” Contatos.

Já  nos seus primeios  tempos, quando  não  havia ainda acumulado laureis, a qualidade dos  seus poemas foi reconhecida pelo jornalista e escritor Bruno Torres Paraiso com seu registro no “Correio do Sul”, em 1965:

– “Seu verso é correto, adquirindo por vezes uma quase

luminosidade, e a pureza do seu verso alexandrino moldou-se em um  paradigma-Bilac.”

(Olavo  Bilac foi por unanimidade  aclamado pelos críticos do seu tempo como “Príncipe dos Poetas Brasileiros).

Evando Moreira foi agraciado com  inúmeras comendas e premiações literárias: Amigo da Cultura, pela FAFIA de Alegre; Benemérito da Loja Maçonica “Amor e Justiça II”, de Alegre, ES; Comenda da Ordem do Mérito Jurídico da França; Diploma de Honra ao Mérito, do ME pelo TG de Alegre; Diploma de Honra ao Mérito do Lions International; Título de Cidadão Alegrense Honorário; Título de Comendador do Cordon Bleu do Saint Sprit; Títulos de Doutor HC em Psicologia da Academia Antero de Quental, SP; Doutor HC em Psicologia da Academia Saint Adalbert, da Suiça; Medalha do Mérito Universitário da UFES; Diploma de Bacharéu em Direito, Faculdade de Cachoeiro; Diploma de Destaque Cachoeiro e Medalha do Mérito Legislativo, da Câmara Municipal de Cachoeiro.

Obteve ainda premiações literárias: Prêmio Almir Soares de Poesia, Campos, pelos livros Cárcere de Almas, 1960, e o mesmo Prêmio em 1961 pelo livro A Outra Face do Espelho; Menção Honrosa do Jornal A Gazeta, pelo Poema da Moça Desconhecida, em 1971; 1º Prêmio do Festival de Música de Guaçuí, ES, em 1973, pela canção “Canoeiro”, com arranjo do maestro Wilson Laerte de Oliveira; Prêmio do Instituto Campista de Literatura pelo soneto alexandrino Velho Natal, em 1981.

Outras premiações importantes de Evandro Moreira: Medalha de Prata da Academia de Letras e Música de Brasília (poema Fatalismo e soneto Dom Quixote); Menção Honrosa em Belo Horizonte (Concurso nacional da poesia economiária da AEF, com o soneto Lição do Cristo, da Coroa de Sonetos); Menção Honrosa no Concurso Nacional de Trovas de Itapecerica e 3º Prêmio no Concurso Nacional de Poesia do MPN; 4º Prêmio no Concurso Nacional de Poesia do jornal A Prosa, Brasília; Troféu Gente de Casa, em Cachoeiro. Menção Honrosa nos Jogos Florais de Niterói; Comenda Rubem Braga, pela PM de Cachoeiro; Prêmio Capixaba de Literatura Newton Braga, em 98, para o livro A Sombra de Ariel.

Hoje, aposentado, Evandro Moreira dá aulas de Literatura (e de Leitura!) aos alunos de diversos colégios da região e aulas de composição da  Crônica e da Poesia.

Rubens-Pontes-4.png
Rubens Pontes

A Coluna deste sábado selecionou um dos seus esplêndidos poemas,  “CINZAS”, marca do seu indiscutível talento.

Rubens Pontes

Capim Branco, MG

 

BANNER-FACEBOOK-ANIMADO-EVANDRO-MOREIRA

Os livros de Evando Moreira  podem ser adquiridos por Reembolso Postal ou diretamente encaminhados pelo Correio.

Bastando ao interessado informar nome, endereço e nomes dos livros e enviar ao endereço do Autor ou enviar por carta para:

Evandro Moreira – Condomínio Aldeia das Águas – Soturno – Cachoeiro de Itapemirim, ES 29321-000

Os livros estão à venda também nas livrarias: Caminho do Saber, Mr Book (Cachoeiro) e Logos (Vitória)

CINZAS

Evandro Moreira

Busquei no silêncio dos teus olhos

Todas as perguntas que hoje me afligem.

Enquanto percorri o teu corpo

As minhas mãos trêmulas e sedentas

Roubaram a paz da tua indiferença infinda.

E, quanto mais fugias de mim

Mais te adentrou no meu corpo

No galope ébrio dos desesperados

Que anseiam viver o passado

E, assim, ferem os que, no presente, te buscam.

Como um sertanejo bravo diante da seca

Na esperança úmida de um novo amanhã

Eu te amei, eu te quis.

Hoje, só representas a saudade do teu corpo

Que medrosamente aquecia o meu.

E, ainda que haja rancores

Nada mais serão que resquícios.

Resquícios de amor que fragmentaram meu coração.

E, por vezes, não me deixam distinguir

Que nada é novo e todo o mistério se desfez.

E eu… eu não te amo mais.

 

https://donoleari.com.br/eustaquio-palhares-a-republica-do-espirito-santo/

https://www.al.es.gov.br/

https://www.oantagonista.com/

Rubens Pontes

Rubens Pontes

Rubens Pontes

COMPARTILHE:

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on whatsapp
Don Oleari - Editor Chefão

Don Oleari - Editor Chefão

Radialista, Jornalista, Publicitário.
Don Oleari Corporeitcham