Capixabas entre o céu e o inferno em Tóquio | 27/7

Tóquio
 matheus-11.png
Matheus Thebaldi
Tóquio, altos e baixos.
Coluna SPORTOTAL – Matheus Thebaldi

Tóquio – Nem tudo são flores para os capixabas nas Olimpíadas. Enquanto uns comemoram, outros lamentam.

 

Com a capixaba Alexandra, a seleção feminina de handebol venceu a Hungria por 33 a 27, na noite desta segunda (27), horário de Brasília.

tóquioNa estreia, o Brasil empatou com as russas, atuais campeãs olímpicas. Na terceira rodada, o Brasil vai enfrentar a Espanha pela terceira rodada, em duelo marcado para quarta-feira, às 23 horas.

Os capixabas entraram em quadra na madrugada desta terça-feira (27). O resultado foi negativo para nosso conterrâneo Alison e seu parceiro, Álvaro Filho, que entraram em quadra primeiro e acabaram superados pelo time dos Estados Unidos, Lucena e Dalhausser. O jogo foi disputado, definido apenas no set desempate, quando os norte-americanos fecharam por 2 a 1, com equilibradas parciais de 24/22, 19/21 e 15/13.

Tóquio

Alison: chave da morte

No jogo de estreia, Alison e Álvaro Filho haviam vencido os argentinos Azaad e Capogrosso por 2 sets a 0 (21/16 e 21/17) e, nesta tarde no Japão, não obtiveram o mesmo sucesso. Após a partida, o campeão olímpico, Alison, falou sobre a dificuldade que seu time tem nesta edição do maior evento esportivo do planeta.

“Nossa chave é da morte e não escondemos isso de ninguém. Isso está fazendo com que o nosso time saia da zona de conforto. No alto nível, detalhes fazem total diferença e foi assim no primeiro set. No segundo, mantivemos a tranquilidade e no tie break não começamos muito bem e mesmo assim encostamos. Mas, Olimpíada é isso aí. São os 24 melhores times do mundo”, destacou Alison.

Evandro e Bruno Schmidt

Depois, foi a vez de Evandro e Bruno Schmidt, que é brasiliense radicado no ES, entrarem em ação, desta vez com vitória verde e amarela sobre Abicha e Elgraoui, do Marrocos, por 2 sets a 0 (21/14 e 21/16). Na estreia, a dupla venceu os chilenos Grimalt E./Grimalt M por 2 a 1 (21/15, 16/21 e 15/12). Agora, estão com quase dois pés na próxima fase dos Jogos de Tóquio.

Já Nacif Elias, representando o Líbano, está fora da briga por medalhas nas Olimpíadas de Tóquio 2020. Na sua luta de estreia, realizada no início da madrugada desta terça-feira, o capixaba foi derrotado pelo sul-coreano Sungho Lee, pela categoria até 81kg. Com o resultado, Nacif se despediu da segunda olimpíada de sua carreira.

Nem tudo são flores para os capixabas nas Olimpíadas de Tóquio. Enquanto uns comemoram, outros lamentam. Com a capixaba Alexandra, a seleção feminina de handebol venceu a Hungria por 33 a 27, na noite desta segunda (27), horário de Brasília. Na estreia, o Brasil empatou com as russas, atuais campeãs olímpicas. Na terceira rodada, o Brasil vai enfrentar a Espanha pela terceira rodada, em duelo marcado para quarta-feira, às 23 horas.

Os capixabas entraram em quadra na madrugada desta terça-feira (27). O resultado foi negativo para nosso conterrâneo Alison e seu parceiro, Álvaro Filho, que entraram em quadra primeiro e acabaram superados pelo time dos Estados Unidos, Lucena e Dalhausser. O jogo foi disputado, definido apenas no set desempate, quando os norte-americanos fecharam por 2 a 1, com equilibradas parciais de 24/22, 19/21 e 15/13.

No jogo de estreia, Alison e Álvaro Filho haviam vencido os argentinos Azaad e Capogrosso por 2 sets a 0 (21/16 e 21/17) e, nesta tarde no Japão, não obtiveram o mesmo sucesso. Após a partida, o campeão olímpico, Alison, falou sobre a dificuldade que seu time tem nesta edição do maior evento esportivo do planeta.

“Nossa chave é da morte e não escondemos isso de ninguém. Isso está fazendo com que o nosso time saia da zona de conforto. No alto nível, detalhes fazem total diferença e foi assim no primeiro set. No segundo, mantivemos a tranquilidade e no tie break não começamos muito bem e mesmo assim encostamos. Mas, Olimpíada é isso aí. São os 24 melhores times do mundo”, destacou Alison.

COMPARTILHE:

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on whatsapp
Don Oleari - Editor Chefão

Don Oleari - Editor Chefão

Radialista, Jornalista, Publicitário.
Don Oleari Corporeitcham