Quem somos[email protected]

Search

Henrique Meirelles: “Copom não é uma reunião de palpites”. Ex-ministro ressalta importância da regulamentação do Real Digital | 22/6

Meirelles

Meirelles

Para ex-ministro da Fazenda, o Brasil sai na frente ao permitir que o Banco Central regule a versão digital da moeda brasileira; Meirelles aprovou ainda a manutenção da taxa de juros pela instituição como meio de conter a inflação

Na manhã desta quinta-feira (22), Henrique Meirelles, presidente do Banco Central do Brasil nos dois mandatos do presidente Lula, entre 2003 e 2011, e ministro da Fazenda do governo de Michel Temer, entre 2016 e 2018, realizou a palestra de abertura da primeira edição do Digital Finance Brasil, no Blockchain SP + SciBiz, em parceria com a Ethereum Brasil e a Universidade de São Paulo, no Campus da USP.

Fofo de capa:Henrique Meirelles
Artframes Films

Entre outros assuntos discutidos, Meirelles destacou a importância do Banco Central enquanto regulador do Real Digital, a primeira moeda virtual oficial do Brasil, que deve ser disponibilizada até o final de 2024. Além disso, defendeu a manutenção da taxa de juros pela instituição.

“Permitir que o Banco Central trabalhe no lançamento da sua própria moeda digital faz parte de um processo muito importante, que ajuda a consolidar o mercado e dar mais segurança a todos os envolvidos”, disse o ex-ministro da Fazenda.

Para Meirelles, o fato de que esse mercado esteja regulado através de uma uma lei já aprovada pelo Congresso Nacional, “coloca o Brasil em um processo de liderança nesse mercado”.

Durante a palestra, que reuniu nomes importantes do cenário blockchain de diversos setores e durou cerca de trinta minutos, Meirelles destacou que o Blockchain SP + SciFi Biz chega em um bom momento.

“Eventos assim são fundamentais. É a oportunidade ideal de dialogar com participantes de lados diferentes desse mercado. Todos estarão melhor preparados para operar neste setor, à medida em que essa troca de informações é exatamente o que conduz ao direcionamento correto”.

Taxa de juros e inflação

Ex-presidente do Banco Central, Meirelles comentou também a manutenção da taxa Selic pelo Copom (Comitê de Política Monetária do Banco Central) em 13,75%, apesar da pressão que vem sofrendo do governo federal.

“As pessoas acham que o Copom é uma reunião de palpite. Na realidade, o Banco Central tem uma série de modelos que preveem a inflação”, afirmou. O ex-presidente do Banco Central apoia a medida, já que, segundo ele, não existe sinal concreto que possa dar segurança para cortes de juros.

“Do ponto de vista de política monetária e do ponto de vista do controle de inflação, ao contrário de grande parte dos países no mundo hoje, o Brasil está indo bem”.

Blockchain SP + SciBiz

Segundo Francisco Carvalho, CEO e idealizador do Blockchain Festival, a participação de Meirelles no Digifi reforça o compromisso do evento em reunir os principais nomes do mercado.

“O Henrique Meirelles é um dos conselheiros do governo na área econômica e participa de debates sobre a economia latino-americana e mundial, além de defender a integração econômica na América Latina e o fortalecimento das instituições financeiras regionais, como o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). Por tudo isso, é um nome muito importante para aprofundar o debate sobre o tema e, ainda, alertar sobre a necessidade de reformas estruturais que visam garantir a estabilidade econômica”, destaca.

Além de Henrique Meirelles, o evento, que segue até esta sexta-feira, dia 23, reúne nomes como Rodrigoh Henriques, diretor de inovação da Fenasbac; João Paulo Aragão Pereira, especialista sênior em tecnologia e inovação da Microsoft – que recentemente apresentou uma tecnologia para liquidação de ativos tokenizados que visa criar uma ponte entre o Real Digital e redes blockchain externas fora do controle do Banco Central, como o Ethereum (ETH); Rafael Bianchini, coordenador de regulação de riscos financeiros de Infraestruturas do Mercado Financeiro do Banco Central do Brasil; Evelyne Yao, especialista em Estratégia e Inovação do Banco B.V.; Daniel Maeda; Superintendente de Supervisão de Investidores Institucionais da CVM, entre outros.

Henrique Meirelles

Henrique Meirelles foi o presidente do Banco Central que ficou mais tempo no cargo, entre 2003 e 2011, um período de crescimento econômico, geração de empregos e controle da inflação.

Entre 2016 e 2017, comandou o Ministério da Fazenda, tirando o Brasil da maior recessão da história e promovendo avanços institucionais, como a limitação dos gastos públicos, a nova Lei das Estatais e a reforma trabalhista.

No setor privado, trabalhou por 28 anos no Bank  Boston, chegando ao posto de presidente mundial do banco, único brasileiro a atingir esse nível de direção na história.

Meirelles também foi chairman do banco de investimentos Lazard Americas e senior advisor da gestora global KKR e fez parte dos conselhos de administração do Lloyds of London e da Azul Linhas Aéreas, além de outras empresas como a Raytheon Corporation, Bestfoods, Champion International, Bank Boston Corporation e FleetBoston Financial. Também foi membro dos conselhos da Harvard Kennedy School of Government, da Sloan School of Management do Instituto de Tecnologia de Massachussetts (MIT) e da Carroll Scholl of Management do Boston College.

Serviço:

Blockchain SP + SciBizData: 20 a 23 de junho de 2023

Horário: das 9 às 18h30m

Universidade de São Paulo

Av. Prof. Lúcio Martins Rodrigues, 310 – Butantã

Meirelles

Editado por Don Oleari – [email protected]

https://www.facebook.com/oswaldo.oleariouoleare

Troca de faixa de Casagrande com Ferraço 2026 passa por Enivaldo dos Anjos? | Cap. Assumção conversa com vice de Vitória | Ala do PT se reúne em Cariacica | 22|6

Franchising: no Brasil, setor vai a faturamento superior a R$ 50 Bilhões no primeiro trimestre de 2023

“Nuances de Paris” é a nova exposição da Mosaico Fotogaleria, de Gabriel Lordello e Tadeu Bianconi | 21/6

Picture of Don Oleari - Editor Chefão

Don Oleari - Editor Chefão

Radialista, Jornalista, Publicitário.
Don Oleari Corporeitcham

Posts Relacionados

A Bicharada do Don Oleari.