Quem somos[email protected]

Search

Garrincha | O dia em que driblei Garrincha no Engenheiro Araripe | Por Paulo Bonates | 14/11

Garrincha

paulo_bonates-6315625-2-1.jpg
paulo bonates

 

O dia em que driblei Garrincha no Engenheiro Araripe. Fiquei três dias impactado, só lembrando daquele minuto e meio de glória que me vale, até hoje, uma eternidade.

“Bulau mijou aqui”.

Reproduzido com autorização do autor, nosso grande cronista (Don Oleari).

Não me lembro a data, mas já faz tempo, jornalistas cariocas armaram um time de futebol mambembe e saíram percorrendo o Brasil enfrentando os colegas de quase todos os Estados, cobrando ingresso.

Mas espera aí. O que faria alguém sair de casa para assistir legítimos pernas de pau em uma noite de sábado, baterem uma pelada?

Calma, muita calma nessa hora. Acontece, que o time do Rio exibia, para motivar a torcida, a presença de nada mais, nada menos, do que Mané Garrinha, em seus estertores físicos e futebolísticos, que andava pela borda do gramado do Estádio Engenheiro Araripe com muita dificuldade. Seria trágico, se não fosse maravilhoso.

Alguém tinha de atrair o público. Podem crer, atraiu. E me convocaram, acreditem, para jogar contra o Garrincha, como se isso fosse possível. Implorei para obter uma torcida particular: as acadêmicas Eliana Vicentini e Emília Silva. Notei que não olharam nem uma vez para o gramado.

Eu era jornalista do O Diário, o maior jornal da Rua Sete de Setembro, em Vitória/ES. Aliás, no futebol apertava as primas e bordões com uma certa elegância. Assim, como o querido Luiz Carlos Maranhão que fez um gol de “peixinho”, que, aliás, era a arte de cabecear deitado.

O técnico capixaba, o nosso, era nada mais, nada menos, que o consagrado Conde Bulau, uma folclórica entidade capixaba, cuja atividade resumia-se em desenhar, sob o aplauso e apoio de todos, nas portas dos banheiros públicos de todo o Espírito Santo, escrevendo a bucólica frase:

“Bulau mijou aqui”.

A insólita partida começou. Bola corre, jogadores não, muito menos o Garrincha. Para o azar da torcida. Consegui me destacar: designado por Bulau, perdi um pênalti.

Ficamos rodando às tontas, procurando dar sentido e amor ao Mané. Foi quando chegou o grande momento, a vez da minha glória.

Procurava ficar bem colocado, só admirando o que restava do mito. Afinal, o amor não acabara, como jamais acabou.

Daí deu-se a melódia.

Corre pra lá, corre pra cá, todos nós jogando com o coração descuidado e apaixonado a quem, na minha opinião, era e é o maior jogador de futebol do mundo.

De repente, não mais que de repente, fico cara a cara com o namorado da Elza Soares e do Brasil.

Meu ídolo estava um caco. Suava muito e mal podia andar. Não sabia o que fazer. Ele sempre sabia:

— Mano, tô passando tá?, disse Garrincha.

— Tá, respondi.

E passou.

Depois não interessa, eu estava realizado, enfrentei minha paixão, e amorosamente perdi.

Garrincha ainda fez umas poucas firulas e foi ovacionado pelas arquibancadas do estádio de Jardim América, Cariacica. Quanto a mim, fiquei três dias impactado, só lembrando daquele minuto e meio de glória, que me vale, até hoje, uma eternidade.

Aliás, sempre achei Garrincha melhor que Pelé. E segundo Elza Soares, a Xuxa também acharia.

Doria Gray, meu cão vira-lata, nas madrugadas late de saudade do Mané.

Garrincha

Edição, Don Oleari – [email protected]

https://www.facebook.com/oswaldo.oleariouoleare

Câncer de próstata | Novembro Azul pra lembrar diagnóstico e cuidados com câncer de próstata | 14/11

Procedimentos estéticos: o que fazer para evitar surpresas. Falta de cuidados pode ser fatal | 14/11

Empilhadeiras | 106 anos depois, quais as principais evoluções dessa máquina cheia de história até aqui?

Pesquisa | Centro de Apoio aos Pequenos Empreendimentos mostra que quase 90% dos microempreendedores não têm curso superior

Verão à Vista: piscinas são estrelas da estação, mas requerem cuidados |10/11

https://www.agazeta.com.br/colunas/paulo-bonates/o-dia-em-que-driblei-garrincha-no-engenheiro-araripe-1123?utm_medium=share-site&utm_source=whatsapp

Tags

COMPARTILHE:

Picture of Don Oleari - Editor Chefão

Don Oleari - Editor Chefão

Radialista, Jornalista, Publicitário.
Don Oleari Corporeitcham

Posts Relacionados

A Bicharada do Don Oleari.