Quem somos[email protected]

Search

Primeira grande ópera montada no Espírito Santo é a primeira ópera de Vivaldi montada no Brasil | 9/2

Primeira grande ópera

Primeira grande óperaDETALHES DO ANEXO exclusivo.png

A primeira grande ópera montada no Espírito Santo. A primeira ópera de Vivaldi montada no Brasil.

NEC = Nota do Editor Chefão, Don Oleari | Quero deixar aqui anotado o meu mais profundo agradecimento ao bailarino, coreógrafo, produtor e gestor cultural Marcelo Lages pelo privilégio de nos conceder uma crítica EXCLUSIVA. Quero agradecer também às pessoas que nos proporcionaram este privilégio de uma “tradução” para um espetáculo único, que deixou o público ansioso por outras temporadas (Don Oleari). 

Marcelo-Lages-gerente-cultura-Sesi.jpg 9 de fevereiro de 2024 18 KB
Marcelo Lages

Por Marcelo Lages

Bailarino, coreógrafo, produtor e gestor cultural

A temporada de espetáculos culturais deste ano foi iniciada com uma grande surpresa: a montagem, inédita, da ópera “Catone in Utica”, de Antonio Vivaldi, no Palácio da Música Sônia Cabral, centro de Vitória/ES, na Cidade Alta.

O espetáculo realizado com recursos do FUNCULTURA da Secretaria de Cultura do Governo do Espírito Santo e por Sabino Produções Artísticas teve a direção cênica impecável de Tamara Lopes, regência de Sérgio Dias e Direção Artística assinada por Washington Sieleman.

 a-opera-1.jpg 9 de fevereiro de 2024 37 KBO público, que esgotou os ingressos 10 dias antes da primeira récita, compareceu com entusiasmo e acompanhou os conflitos narrados pelo libreto de Pietro Metastasio, que nos fala do dramático encontro entre o Imperador Guilio Cesare e o Senador Marco Poncio Catone, na cidade de Utica, ao norte da África.

Disputas políticas, polarização extremada

Tal confronto nos revelou a face trágica dessa ópera que nos trouxe à reflexão as disputas políticas, os perigos da polarização extremada de ideias e os conflitos humanos, como amor e traição, solidão e temperança, dúvida e manipulação…

 a-opera-1-e-1.jpg 9 de fevereiro de 2024 19 KBÉ, talvez, a primeira grande ópera séria montada no Espírito Santo e, pasmem: esta é a primeira vez que uma ópera de Vivaldi é montada no Brasil. Os motivos para isso não são poucos, por isso não me deterei em tentar entendê-los por agora.

O fato é que com tantos desafios a montagem entregou um espetáculo digno, esteticamente bonito e de grande qualidade artística.

A direção cênica merece todos os nossos reconhecimentos, pois conseguiu criar um ambiente envolvente, com marcações estratégicas, que davam ao espetáculo um ar de tensão que se manteve ao longo de toda a obra.

trupe-Tamara-Lopes-Direcao-cenica.jpg 31 de janeiro de 2024 48 KB
Tamara Lopes, Direcao cênica

Tamara Lopez conseguiu, de fato, realizar um trabalho primoroso, com soluções criativas e belas, diante das limitações dos espaços culturais de nossa capital.

A concepção e realização dos espaços cênicos, com objetos que ora remetiam a um decadente palácio, ora a ruínas romanas, nas quais eram projetados elementos que reforçavam o texto, também chamaram a atenção do público, assim como os figurinos assinados por Thila Paixão.

O Visagismo esteve a cargo das mãos experientes e competentes de David Aquino, que contribuiu com o seu talento na caracterização de cada personagem.

 a-opera-2.jpeg 9 de fevereiro de 2024 75 KBa-opera-4.jpg 9 de fevSobre o elenco de cantores, a montagem acertou precisamente na escolha. Os papeis foram bem escolhidos e os cantores, magistralmente ensaiados do ponto de vista cênico e musical, deram vida a personagens complexos.

O Tenor Rafael Ribeiro apresentou-nos um Catone que se dividia entre a honra, o orgulho e o temor do abandono, com uma interpretação surpreendente.

 a-opera-5.jpg 9 de fevereiro de 2024 20 KB a-opera-6.jpeg 9 de fevereiro de 2024 44 KBSua linda voz e domínio de suas árias e recitativos revelaram um elemento a mais que impactou positivamente o público.

Rafael foi ao lado da veterana mezzosoprano, Lorena Espina, responsável pelo papel de Emilia – viúva rancorosa de Pompeu – o grande destaque da ópera.

Ainda sobre Lorena Espina, vale a pena recordar suas duas grandes áreas de bravura e sua experiência de palco, que fizeram de Emilia um personagem misterioso, expressivo e forte. Como Guilio Cesare, tivemos a grata surpresa de conhecer o talento do jovem contratenor Sávio Fàschét, que impressionou por sua extensão vocal.

a-opera-6.jpg 9 de fevereiro de 2024 11 KB a-opera-8.jpeg 9 de fevereiro de 2024 134 KBE falando de jovens talentosos, não posso deixar de citar o carisma e a versatilidade do barítono Calebe Faria, no papel do sínico Fulvio, que se dividiu entre “promessas” a Emilia e “fidelidade” a Cesare.

Calebe é um excelente ator e cantor, com um futuro promissor. Por fim, falo de duas jovens capixabas de grande talento: Michelle Magnago (mezzosoprano) e Lorena Pires (soprano). As duas realizaram papéis fortes, cada uma a sua maneira.

Michelle era Marzia, filha de Catone, enquanto Lorena Pires era Arbace, príncipe da Namíbia e pretendente de Marzia. Trata-se de dois timbres vocais diferentes, mas duas cantoras de imenso talento e presença cênica que, formadas em nossa cidade de Vitória, começam a despertar o interesse de produções de outros estados brasileiros.

A montagem de Catone in Utica teve, ainda, o desenho de luz de Carla van den Bergen e a direção musical e regência do maestro Sérgio Dias, cujo trabalho é reconhecido pelos capixabas desde muito tempo.

A Orquestra A Trupe Barroca, sob sua direção, apresentou-se, reafirmando a qualidade do seu trabalho e, a partir da importante estreia de Catone in Utica, mais uma vez fazendo história, entre as orquestras de música antiga do Brasil.

Uma nova temporada desse surpreendente espetáculo seria muito bem vinda, principalmente para atender ao numeroso público que não teve a sorte de conseguir ingressos (Marcelo Lages).

Marcelo Lages

Bailarino, coreógrafo, produtor e gestor cultural

Primeira grande ópera

Edição, Don Oleari – [email protected]

https://www.facebook.com/oswaldo.oleariouolearehttps://twitter.com/donoleari

Virginia Fonseca é diagnosticada com TDAH: diagnóstico tardio pode impactar a qualidade de vida | 9/2

Edilson Lucas do Amaral: STF erra em supor que defende a constituição em nome de uma autodefesa | 9/2

Aqui Vila Velha | Sine abre novas inscrições para 28 cursos presenciais de educação profissionalizante nesta sexta, 9

Claudia Bouman: Espelho, espelho meu! | 7/2

Coluna Aqui Cariacica: máquinas agrícolas | Secretaria de Agricultura e Pesca de recebe 11 máquinas agrícolas nesta quinta, 8

COMPARTILHE:

Picture of Don Oleari - Editor Chefão

Don Oleari - Editor Chefão

Radialista, Jornalista, Publicitário.
Don Oleari Corporeitcham

Posts Relacionados

A Bicharada do Don Oleari.