Quem somos[email protected]

Search

 Kleber Galvêas | Escolhendo panelas Capixabas (parte 1)

kleber galvêas

Kleber Galvêas

Kleber-Galveas-br-1.jpg
Kleber Galvêas, pintor, agitador cultural

A panela de barro tradicional é um símbolo da cultura capixaba, a cultura nativa e primitiva de Vitória/ES, para alguns o maior.

Ajuda a vender nosso peixe de primeira qualidade, a lembrar das nossas praias e a encher nossos restaurantes especializados em frutos do mar.

Seu processo de fabricação é patrimônio público, cabe ao governo preservá-lo, mantendo a qualidade das famosas panelas capixabas.

Escolhendo uma boa panela para uso, levamos em consideração:

A cor – negra intensa revela boa imunização. Fungos desintegram o barro que esfarinha.

A espessura – quanto mais fina, melhor a qualidade da matéria prima utilizada.

O formato – panela certinha denuncia uso do torno, baixa densidade do barro e porosidade.

O brilho – mostra que o barro foi comprimido e a goma aflorou.

O som – suspenda a panela com umas das mãos e com os nós dos dedos da outra mão, bata no fundo, se o som for chocho, acusa: rachaduras, ocos, ou queima incompleta da peça.

Algumas panelas de barro produzidas no Espírito Santo estão ficando grossas, com queima incompleta e perdendo a cor negra profunda, tão característica. Isto se deve a fatores que pretendemos apontar.

O barro com boa liga ou goma, está se tornando cada vez mais raro por aqui. A ocupação rápida dos arredores de Vitória restringiu a área de coleta desta matéria prima.

A melhor tabatinga ou batinga foi produzida há cerca de dez mil anos, são sedimentos ricos em sílica e matéria orgânica da última glaciação.

Jazidas aparecem principalmente junto aos rios, lagoas e no litoral.

A queima das panelas em fogueiras a céu aberto muitas vezes é incompleta, são usados refugos da construção civil.

Há pouco tempo a madeira era escolhida na restinga e cortadas aquelas que produzem chamas com grau elevado de calor, como o abano, paraju e a almesca.

Cada madeira revela sua identidade no grau de calor que produz ao queimar, a densidade e composição química varia de acordo com as espécies vegetais.

Quem já cozinhou feijão em fogão à lenha observou esse fato e sabe que não é qualquer madeira que dá conta do recado.

A lenha usada há poucos anos era abundante nas restingas, podia ser escolhida e levada.

Hoje não, o que é muito bom do ponto de vista ecológico, mas ruim para se obter uma boa queima nas fogueiras tradicionais, onde o calor se dissipa.

Persistindo a escassez da boa madeira, acredito que essa etapa do processo de fabricação das panelas, irá evoluir para fornos primitivos que concentrem o calor, tipo os “manilhões” usados no Vale do Jequitinhonha.

Já vi um desses queimando panelas em Cruzeiro do Sul, Cariacica.

Continua…

Kleber Galvêas

Edição, Don Oleari – [email protected] – e Regina Trindade

http://www.facebook.com/oswaldo.oleariouoleare – https://twitter.com/donoleari

Famílias e empreendedores dos municípios atingidos pelas fortes chuvas vão receber apoio do Governo do Estado

Orlas de Vitória na boa: da Ilha das Caieiras – Grande São Pedro – e Canal de Camburi, Praia do Canto

Anilson Ferreira | Primeira regata do ano será dia 7 de abril no circuito tradicional em frente ao Penedo na baía de Vitória/ES

Luiz Felipe Bazzo | Fechamento de mercado: a bolsa, o dólar

Aqui Praia do Canto – Novo comando: Fred Perini Muniz se despede e apresenta a Damian Sadovsky a nova diretoria da Asociação de Moradores da P. do Canto

Picture of Don Oleari - Editor Chefão

Don Oleari - Editor Chefão

Radialista, Jornalista, Publicitário.
Don Oleari Corporeitcham

Posts Relacionados

A Bicharada do Don Oleari.